quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Letter To Catherine Pt .Deux


Por vezes não é fácil esta vida que vivemos pois não catherine?
Caminhar sem saber se estamos acompanhados ou se na verdade é tudo uma ilusão e a úncia verdade é que estamos sozinhos neste mundo, estar mal sems aber bem porquê.
No entanto é tudo normal, são fases de passagem, que testam a nossa paciência e a nossa presveerança, e eu acredito nos apssos que damos minha querida amiga, acredito que ultrapasssamos tudo e que no fim do dia sabemos que é bom voltar a estar vivo.
Pode anoitecer na tua vida, a escuridão, a solidão e o silêncio entorpecer-te ma,s a verdade é que a manhã chega sempre, e sei que estarás lá apra ver a alvorada do dia, pois o amanhecer da tua vida, é o mais brilhante despertar da mente.
Pois crias barreiras a tu mesma, consideras-te fraca e julgas-te quem não és. Eu digo-te quem és. És o oposto do que acreditas ser.
As tuas crises não são lamentáveis, são sacríficios que fazem os sorrisos render. As tuas palavras não são idiotas, são coisas a ter em conta, a relamente ouvir.
Pois as pessoas dividem-se em dois grupos, as que falam sem empregar palavras mas, simples sons, e pessoas como tu, cujas palavras proferidos adoptam ideias e imagens e ganham espaço no pensamento.
Está um vento forte a gritar pela minha janela, está uma vela de um barco rompida no barco mas, apenas naufraga quem o coração de pedra tiver, no entanto dear catherine, és uma marinheira da vida, e a tua virtude é o farol, e a tua personaldiade os remos, apenas precisas de aguentar um pouco mais.
A tempestade vai acabar, a crise há-de passar, é tudo um momento, deixa as preocupações voarem por essa janela fora

Um comentário:

Catarina disse...

Meu bem muito obrigada !
sabes sempre como me animar :)

Beijinho *